Pacientes da Fundação Oncocentro contam com a rapidez do sistema informatizado

O Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI), com o apoio de seu braço tecnológico, o LSI-TEC, desenvolveu, através do seu Grupo de Saúde Digital, um sistema de gestão informatizado de laboratório de anatomia patológica para a Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP) da Secretaria de Saúde de São Paulo, baseado totalmente em Software Livre, eliminando a necessidade de custos de licenças de software. O sistema em operação, desde 2007, tem em seu banco de dados mais de 800 mil pacientes com seus laudos de diagnóstios de anatomo-patologia.

A FOSP é o órgão responsável pela gestão do Câncer no Estado de São Paulo, sendo que um dos seus serviços é o de oferecer exames e emissão de laudos de Anatomia Patológica voltados ao diagnóstico de Câncer, com uma demanda de mais de 1000 exames por dia das unidades de saúde publicas do Estado de São Paulo. Neste projeto, considerou-se a informatização de todo o processo laboratorial de anatomia patológica da FOSP, desde a entrada de material do paciente, com a sua identificação por código de barras, até a emissão do laudo no formato digital, com seu respectivo faturamento junto ao DATASUS, com o controle total do fluxo de exames histopatológicos, citopatológicos e imuno-histoquímica, possibilitando a redução de gargalos no processo e aumentando a rapidez na obtenção dos diagnósticos.

O sistema informatização de laboratório de anatomia patológica se apresenta como uma solução eficiente para a melhoria da gestão de todo o laboratório, pois oferece meios para isso, como relatórios operacionais e gerenciais, controle de processos internos, digitação de exames, emissão de laudos, rastreamento de exames e controle de faturamento, considerando ainda:

· Monitoramento de dados epidemiológicos em tempo real;
· Resgate do histórico do paciente em cada novo exame para apoio ao laudo médico;
· Consistência crítica nas informações registradas contribuindo com a qualidade dos dados do paciente.

Este sistema oferece ainda mecanismos para uma gestão mais eficiente dos processos dos vários departamentos internos do laboratório. Para isto, o sistema apresenta diversas funcionalidades específicas, como:

· Criação de fluxos de trabalho (workflow) personalizáveis de processos;
· Definição de metas e limites de tempo para cada processo;
· Consultas em tempo real do andamento de cada processo;
· Alertas de atrasos e urgência;
· Controle para melhoria contínua no fluxo de materiais e geração do laudo.

Os laudos gerados pelo sistema utilizam padrões internacionais, como, por exemplo, a Classificação Internacional de Doenças, o CID. Essa padronização permite que o exame possa ser entendido facilmente por outras unidades hospitalares, além de minimizar possíveis erros de interpretação. Os laudos também seguem a norma de padronização laboratorial ISO-17025.

Segundo Dr. Edmur, presidente da Fundação Oncocentro de São Paulo, a parceria com o LSI-TEC foi bastante importante, pois antes de 2007 todo o trabalho era feito manualmente. “O sistema automatizou nossa dinâmica. Isso possibilitou ao dirigente, acompanhar cada etapa do fluxo de trabalho, podendo perceber onde estão as falhas, por exemplo. Fez também com que o resultado do exame chegasse mais rapidamente ao paciente”, afirma.

Este projeto teve a coordenação técnica do Adilson Hira, coordenação científica do Prof. Marcelo Zuffo, a equipe envolvida foi composta Emerson Moretto, Daniel Savoy, Maryana Alegro, Elaine Bastos, Moacir Campos entre outros colaboradores do LSI.